Lagoa de Cima: um paraíso que pede socorro
24/11/2021 | 12h54
Belezas Lagoa de Cima
Belezas Lagoa de Cima / Leonardo Berenger
Uma das mais belas áreas de lazer do nosso município, Lagoa de Cima, ainda carece de atenção, principalmente na sua preservação ambiental. Com a chegada da temporada de férias de fim de ano, os problemas são acentuados.
Considerado por muitos um paraíso, este importante patrimônio natural se tornou um dos principais pontos turísticos de Campos, motivado pela proximidade de cerca de 30 quilômetros da área central da cidade e sua exuberância.
Relatos históricos dão conta do cenário encantador desde a era Dom Pedro II, quando ao passar pela região, o então imperador do Brasil chamou Lagoa de Cima de “Lago dos Sonhos”.
Mas apesar de tamanha importância e ser uma Área de Proteção Ambiental, a área pede socorro com infraestrutura precária, crescimento desordenado e reflexos diretos no seu rico ecossistema.
São construções feitas às margens da lagoa sem respeitar o distanciamento que consta em lei, lixo na água, falta de saneamento básico e estacionamento irregular na área de proteção.
Secom - Campos
O lado com mais problemas é também onde há a maior concentração urbana com comércio que atrai também os turistas, sendo o seu acesso por Santa Cruz ou a Tapera. Mas há ainda uma outra ponta bastante acessada por Ibitioca, passando em Pernambuca, onde fica o Yatch Club e a tradicional Igreja Santa Rita de Cássia no alto de um morro.
Os acessos aos dois lados apresentam problemas com estradas esburacadas, inclusive recentemente o trecho de Santa Cruz passou reparos paliativos em uma parceria da Prefeitura com o Governo do Estado, mas ainda longe do ideal.
O transporte para Lagoa de Cima é insuficiente, o que também dificulta quem busca o local, mas por outro lado é grande o número de pessoas que vai até o lugar praticando esportes como corrida e pedal. Mas, mesmo para este pessoal, o caminho muitas vezes oferece risco pela falta de acostamento.
Lagoa de Cima
Lagoa de Cima / Rodrigo Silveira
Além da estrutura limitada, os comerciantes do local alegam falta de incentivo ao turismo, já que mesmo durante o verão não há uma programação que explore muito bem o potencial da região, o que é ainda pior em outras épocas do ano.
Há quem viva da pesca artesanal, muitas vezes também comprometida pelos danos ambientais na lagoa e pelas cheias provocadas por chuvas e a água vinda de dois rios: Imbé e o Urubu, que também invade estradas e propriedades rurais. Reflexo também da obstrução de canais e construção de diques irregulares que atrapalham o fluxo da água pelo rio Ururaí com destino à Baixada Campista.
Fato é que, independente de todos os problemas e o desgosto de ver este paraíso parado no tempo, não há como visitar Lagoa de Cima e não se encantar com sua exuberância que ainda resiste à falta de preservação.
Eu mesmo sou um destes apaixonados, seja curtindo a calmaria do sítio da nossa família na região ou escolhendo o local como destino no pedal que faço com os amigos.
E como admirador deste patrimônio natural, fica sempre a nossa torcida para que as pessoas cuidem mais deste paraíso e que o poder público possa buscar parcerias para a devida valorização e exploração responsável do turismo na área.
  • Belezas Lagoa de Cima

    Belezas Lagoa de Cima

  • Belezas Lagoa de Cima

    Belezas Lagoa de Cima

  • Belezas Lagoa de Cima

    Belezas Lagoa de Cima

Compartilhe
Ter consciência é acima de tudo uma autoanálise
20/11/2021 | 09h57
Há pouco tempo trouxemos aqui no Blog uma postagem sobre racismo estrutural e hoje, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, gostaria que todos fizéssemos uma avaliação sobre de que forma temos contribuído para uma sociedade mais igualitária.
Ter consciência é acima de tudo uma autoanálise. Estudar e conhecer além do "nosso mundo" para não desmerecer a luta de ninguém.
Que as palavras do filósofo Matias Aires, escritas ainda em 1730, possam na prática fazer sentido:
"Nascem os homens iguais (...) Para todos nasce o Sol; a Aurora a todos desperta para o trabalho; o silêncio da noite, anuncia a todos o descanso. O tempo que insensivelmente corre, e se distribui em anos, meses e horas, para todos e compõe do mesmo número de instantes. Essa transparente região a todos abraça; todos acham nos elementos um património comum, livre, e indefectível; todos respiram o ar; a todos sustenta a terra; as qualidades da água, e do fogo, a todos se comunicam. O mundo não foi feito mais em benefício de uns, que de outros: para todos é o mesmo; e para o uso dele todos têm igual direito, ou seja pela ordem da sua natureza, ou seja pela ordem da sua mesma instituição; todos achamos no mundo as mesmas partes essenciais. (…)"
Vamos fazer desta data uma constante nas nossas conversas e debates por uma sociedade mais justa...
Respeito e igualdade não têm cor!
 
 
Compartilhe
Polêmica sobre armamento é abordada em livro e no Papo Cabeça
17/11/2021 | 13h31
É cada dia maior o número de pessoas que defendem o armamento como forma de garantir uma maior segurança, principalmente diante de um serviço insuficiente do poder público.
Afinal o uso da arma de fogo como defesa e o armamento da população é ou não uma política pública de segurança adequada?
É buscando trazer esta reflexão que o policial federal Roberto Uchôa, especialista em segurança pública, lança nesta quinta-feira (18), no ateliê Aqui, em Campos, a partir das 18h, o seu livro "Armas pra quem? A busca por armas de fogo".
Nele, o autor apresenta argumentos prós e contras de diversos pesquisadores nacionais e estrangeiros sobre o tema. “Enfim, um livro que vai agradar tanto aqueles que gostam de armas quanto aos que são contra. Um livro que faz pensar e que incentiva o leitor a chegar à sua própria conclusão”, afirmou Uchôa.
A publicação do livro partiu do trabalho de mestrado de Uchôa na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) e de uma pesquisa feita por ele junto à Polícia Federal e aos frequentadores de clubes de tiro.
Roberto Uchôa
Roberto Uchôa / Genilson Pessanha
Para trazer mais detalhes sobre o livro, convidamos para que o autor esteja com a gente no programa Papo Cabeça deste sábado (20), na Folha FM, às 10h, quando também comentaremos sobre as políticas públicas de segurança no país, estado e município e sobre a violência em Campos e na região.
“A sociedade se acostumou a crer que as soluções para os problemas de segurança pública requerem, fundamentalmente, a contratação de pessoal, compra de viaturas e armamentos com investimento em sofisticados sistemas tecnológicos. Sem dúvida que a escassez de efetivo e falta de estrutura adequada impedem a prestação de um serviço adequado, entretanto, é preciso muito mais do que policiamento e tecnologia para resolver nossos problemas de segurança. São necessárias políticas públicas de segurança assim como uma modernização das estruturas do sistema de justiça criminal herdado da ditadura”, destacou Uchôa em recente publicação no seu blog (aqui).
Além de acompanhar a entrevista pelo rádio, é possível assistir e interagir pala live do Facebook, na página da Folha FM 98,3. Deixe lá com a gente a sua opinião se você é a favor ou contra o armamento
Compartilhe
Campanhas Novembro Azul e Roxo para alertar homens e mulheres
12/11/2021 | 16h42
Novembro é conhecido por ser um mês de alerta aos homens pela prevenção e combate ao câncer de próstata, o chamado Novembro Azul. Em Campos está acontecendo a campanha “Cuidar da saúde também é coisa de homem”, já que muitos têm resistência e preconceito com relação ao exame e até mesmo em procurar um médico.
No Brasil, segundo dados recentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca), um homem morre a cada 38 minutos devido à doença. Em Campos, ela é a segunda com maior incidência dentre as neoplasias notificadas. Em 2020 e 2021, foram diagnosticados 810 casos.
Então, é hora de largar o preconceito de lado e buscar o atendimento, que inclusive está sendo ofertado (aqui) por meio de agendamento.
Além da campanha destinada aos homens, o mês de novembro também é voltado para outro assunto importante. É o Novembro Roxo. No Papo Cabeça deste sábado (13) vamos conversar sobre esta campanha que busca a sensibilização para a prematuridade.
O objetivo é alertar sobre o crescente número de partos prematuros, como preveni-los, e informar a respeito das consequências do nascimento antecipado para o bebe, para sua família e para a sociedade.
Em Campos, o serviço de referência acontece no Hospital Plantadores de Cana, onde na UTI Neonatal várias bebês recebem o atendimento especializado e também humanizado.
Um dos destaques é um projeto voluntário de polvos de crochê que ajudam a "acolher" bebês. A ação pioneira na região foi implantada em 2017 e consiste em aconchegar os pequeninos que estão em incubadoras.
Para falar mais sobre esta e outras ações, convidamos o pediatra responsável pela UTI do HPC, Marianto de Freitas Cunha Filho, e a coordenadora também da UTI Arilza Machado.
Esperamos vocês neste sábado, às 10h, ao vivo, na rádio e nas redes sociais da Folha FM.
Compartilhe
Negro e forte, marido da mãe de Marília Mendonça "vira" segurança diante do racismo estrutural
08/11/2021 | 17h46
Reprodução Rede Social
A imagem da mãe de Marília Mendonça chegando ao velório da filha amparada por um homem negro revelou-se mais um exemplo do racismo enraizado em nosso país. Não demorou muito para que algumas pessoas nas redes sociais e até em alguns sites dessem a notícia que dona Ruth Dias chegou apoiada por um segurança, quando se aproximou do caixão da filha.
Porém, bastava uma pesquisa rápida na rede social dela para se descobrir que o homem em questão é Deyvid Fabricio, marido de dona Ruth desde 2018, ou seja, padrasto de Marília Mendonça, inclusive com quem a cantora também tem fotografias ao lado.
Fato é que o que parece um equívoco sem grandes reflexos ou maldade, revela o quanto a gente precisa estar mais atento a este comportamento que muitos têm de julgar as pessoas pela aparência e principalmente pela cor da pele.
No caso do Deyvid, além de aparentar ser mais novo que dona Ruth, sua estrutura física (alto e forte) e cor sem dúvida levaram ao julgamento que caberia a ele o papel de um empregado e não de familiar de uma das maiores artistas do Brasil.
E são nestes “aparentes julgamentos sem maldade” que a gente, principalmente educador, precisa também trabalhar para evitar que outras situações mais graves aconteçam, muitas caracterizadas por crime. Racismo é crime!
Reprodução Rede Social
Para fazermos uma reflexão sobre este tema, eu resolvi compartilhar com vocês algumas falas do filósofo, escritor e professor Mario Sergio Cortella, quando gravou um vídeo para a o Site UOL sobre racismo, em outubro de 2020.Mario Sergio Cortella nasceu em Londrina, no Paraná, onde os colegas de sala não eram negros e também não figuravam entre os personagens das cartilhas escolares usadas Brasil afora para alfabetizar crianças e adultos. Segundo ele, ninguém achava estranho ou queria discutir sobre temas como racismo ou racialidade.
“Eu Cortella, sou um homem branco que faço parte de uma sociedade que a hegemonia branca é secular. Há uma diferença muito forte em relação ao tipo de fala que eu, Cortella, possa fazer no que toca à discriminação, racismo, e alguém que passa por ele. Quando se fala de, se fala de dentro, quando se fala sobre, se fala de fora (....) Posso eu falar sobre o meu preconceito, isso sim... Mas em relação a racismo, uma pessoa vitimada em relação a preconceito, eu só posso falar sobre, porque o meu olhar carrega uma externalidade. Em outras palavras, isso [racismo] me afeta muito pouco como vítima. Mas, como indivíduo, dentro de uma sociedade, numa humanidade, marcada pela noção de empatia e compaixão, isso me afeta imensamente (...) Neste sentido, eu não posso ser cínico de que como eu não estou neste grupo de risco, eu posso ficar mais tranquilo. Ao contrário, a tranquilidade é uma impossibilidade em face a tudo isso, em outras palavras, a minha branquitude não é uma autorização, um salvo-conduto para que eu imagine que estou fora dessa. Isso não significa que se precise o tempo todo ficar como se eu fosse algoz de algo que eu não sou. Eu Cortella posso ser cúmplice e não quero sê-lo. Posso ser omisso e não quero sê-lo (...) Não acho que a gente terá uma modificação tão profunda se não houver uma militância contínua por parte de quem for negro e por parte de quem não for. Os ausentes nunca têm razão. O que virá nesse movimento pós-pandêmico não pode, de modo algum, ser a omissão, ser o silêncio em relação àquilo que grita na nossa frente. Ser antirracista é uma questão de decência”.
Como educador e diretor de escola tenho trabalhado isso frequentemente com a minha equipe, alunos e seus familiares, pois entendemos que racismo se combate com uma educação feita com afetividade, com o fortalecimento socioemocional de cada um.
Temos que trabalhar diariamente por uma escola cada vez mais humana, que valorize cada indivíduo por aquilo que ele é. Respeitando as diferenças e promovendo o desenvolvimento humano através da construção de valores.
Compartilhe
Cancelamento na internet: não há como dimensionar as consequências na vida das pessoas
05/11/2021 | 19h01
Há algum tempo venho conversando com alguns amigos e familiares mais próximas sobre esta onda de cancelamento que vem acontecendo na internet e as consequências na vida das pessoas que não podemos dimensionar.
Resolvi usar este nosso espaço aqui e no nosso programa Papo Cabeça, na Folha FM, para que a gente faça uma reflexão sobre o tema.
Independente de posicionamento político ou com qualquer outro tema que diferencie uma pessoa uma da outra, temos que primeiro analisar de que forma temos nos comportado, antes mesmo de avaliar o outro e promover um “linchamento virtual”, cujas consequências são reais, podendo ser até mesmo a morte de alguém.
Então, buscando essa reflexão, convidamos a psicóloga Nilvia Coutinho para falar sobre este assunto no nosso programa de rádio neste sábado (06).
A nossa entrevistada é psicóloga existencial humanista, com experiência em Educação e em Direitos Humanos, Desigualdades Sociais, Sexualidade, Gênero, Homofobia, Morte e Luto.
Será que existe um manual de boas maneiras para as redes sociais?
Para a nossa convidada, há vários “aspectos que podem ser observados. Desde o encantamento das pessoas pelas redes sociais, até os excessos amplificados pela pandemia, passando lógico pelo autocentramento”.
Ainda segundo ela, algumas pessoas querem definir o que faz ou não sentido para o outro. “São os detentores e vigilantes da ‘verdade’. Mas verdade é pessoal e única para cada sujeito. As redes sociais podem expor o que temos de melhor e também o que temos de pior”, afirmou a psicóloga, que é pós- graduanda em Neurociências e Comportamento e Filosofia, além de mestra em Cognição e Linguagem.
O nosso programa é às 10h, ao vivo aqui na rádio e nas redes sociais da Folha FM.
Venha participar deste papo com a gente!
Compartilhe
Prefeitura prevê liberação do ensino presencial para a próxima segunda-feira (08/11) em Campos
03/11/2021 | 14h11
Na reunião do Gabinete de Crise e Combate à Covid-19 desta quarta-feira (03), o subsecretário de Atenção Básica, Vigilância e Promoção de Saúde, Charbel Kury, anunciou a liberação do ensino presencial para a próxima segunda-feira (08), conforme, segundo ele, acertado com o Ministério Público. (Veja o vídeo acima)
A orientação que foi nos dada, como diretores de escolas da rede particular, era para que aguardássemos a publicação do decreto que traria as orientações sobre o assunto.
Veja abaixo parte do novo decreto publicado em Edição Suplemanetar do Diário Oficial ainda nesta quarta-feira.
Os integrantes do Gabinete debateram também a Lei 9443/21 sancionada pelo Estado, que facultou aos municípios, segundo a análise de seus cenários epidemiológicos, a decisão pela liberação ou não de uso das máscaras.
Sendo assim, decidiu-se pela manutenção do uso das máscaras, até que a imunização com a segunda dose, hoje em 56%, atinja a marca de 80%, com medidas ainda como a ampliação da cobertura de adolescentes, na faixa etária de 12 a 17 anos e a escalada progressiva da flexibilização do protocolo “Regras da Vida”.
O Gabinete decidiu manter o município na fase verde e implantar novas medidas de flexibilização, que devem ser publicadas em edição suplementar do Diário Oficial, com convocação de nova reunião, inicialmente prevista para 17 de novembro.
Compartilhe
"Faça o teu melhor independente das condições"
01/11/2021 | 14h32
O que você está fazendo para não ser medíocre? Até quando vai ficar se limitando ao possível, quando deveria sempre dar o seu melhor.
 “Faça o seu melhor, na condição que você tem, enquanto você não tem condições melhores para fazer melhor ainda”.
Mário Sérgio Cortella
Professor e filósofo
Compartilhe
Dia Nacional do Livro: doação chega à biblioteca da ONG Amor e Arte
29/10/2021 | 09h29
  • Riachuelo+Social faz doação de livros para a biblioteca da ONG Amor e Arte

    Riachuelo+Social faz doação de livros para a biblioteca da ONG Amor e Arte

Nesta sexta-feira (29), comemoramos o Dia Nacional do Livro, uma data para reforçarmos a importância do incentivo à leitura, que é a forma mais bela de despertar uma criança. Ler abre horizontes não só na infância, é sempre agregador para qualquer fase da vida.
A leitura democratiza o saber e é isso que a ONG Amor e Arte vem fazendo com dezenas de crianças e adolescentes em comunidades no entorno do Parque Eldorado, em Guarus.
Conhecemos o trabalho ONG Amor e Arte por meio do músico Jorge Carlos da Silva no nosso programa Papo Cabeça, que apresentamos todos os sábados na Folha FM. Ele é o idealizador e responsável pelo projeto.
Logo nos encantamos e vimos que poderíamos ajudar com o Riachuelo+Social, que é o nosso projeto no Centro Escola Riachuelo, no qual atuamos fora dos muros das nossas escolas para ajudar outras pessoas, envolvendo sempre os nossos funcionários, nossos alunos e suas famílias.
Primeiro instalamos e custeamos mensalmente a internet da ONG, permitindo o funcionamento do laboratório de informática, e agora fizemos a doação de dezenas de livros literários e didáticos para a biblioteca.
Estive na ONG, nesta quinta-feira (28) acompanhando a entrega do material e foi gratificante o trabalho desenvolvido. Saber que estamos contribuindo com a perspectiva de um futuro melhor para cerca de 80 assistidos e suas famílias.
Fomos recebidos com alegria e música, agraciados pela bela apresentação da Big Band, formada pelos jovens mais avançados nas aulas de música, oferecidas gratuitamente pela ONG.
Com o projeto, os alunos têm também acesso à educação e alimentação. Além da biblioteca e do espaço de informática, eles contam com reforço escolar, aulas de violino e outros instrumentos musicais.
Conheçam também mais sobre a ONG, que fica na rua Nova Aurora, 221, no Eldorado. Os interessados em ajudar no trabalho podem entrar em contrato com o número de telefone: (22) 99751-0312.
Compartilhe
Manifestação pela reabertura do Sesc é tema do Papo Cabeça deste sábado
27/10/2021 | 12h55
Edmar Ferreira Júnior é um dos organizadores da manifestação será em Grussaí
Edmar Ferreira Júnior é um dos organizadores da manifestação será em Grussaí / Reprodução
Assim como aqui no Blog, o nosso Programa Papo Cabeça, na Folha FM, abre espaço neste sábado (30), às 10h, para o movimento que pede a reabertura do Sesc Mineiro, em Grussaí, no litoral de São João da Barra.
A manifestação “Devolvam nosso Sesc” está sendo organizada pelos moradores, que farão uma carreata da entrada da praia até o portão principal do Sesc (Veja a programação completa abaixo).
A concentração está prevista para as 14h deste dia 30, mas antes, o morador de Grussaí Edmar Ferreira Júnior estará no Papo Cabeça para falar sobre o ato. Ele faz parte do grupo de organizadores da manifestação por ter uma relação de 15 anos com o Sesc, primeiro como guia turístico e depois como funcionário efetivo por cerca de dez anos.
Sem contar, segundo ele, as inúmeras vezes que se apresentou como músico em eventos organizados no Sesc. “A nossa proposta é chamar a atenção das autoridades de todo o país, mas é uma manifestação sem politicagem”, afirmou.
E é acreditando neste movimento legítimo feito pelos moradores, que a gente vem abrindo espaço no nosso Blog e no Papo Cabeça para o assunto.
Como falamos em nossa postagem anterior, só quem teve a oportunidade visitar aquele espaço ou trabalhar nele, como eu tive enquanto coordenador administrativo, sabe da sua inegável importância para a economia de SJB, por meio do turismo e da geração de emprego.
Então convidamos a todos vocês para o nosso Papo Cabeça deste sábado. Você pode acompanhar o programa não só pela Folha FM, mas também pelo Facebook da rádio (aqui).
 
 
Programação da manifestação:
 14h - Concentração posto de gasolina Toledo entrada de Grussaí
 14h45 - Saída do trio-elétrico, seguido de carros, motos e charretes.
 15h15 - Chegada ao Portão do Sesc Grussaí
(Oratórias com participação de grupo de dança e músicos)
 16h30 - Final da manifestação
 
 
Compartilhe
Sobre o autor

Fabiano Rangel

[email protected]

Educador e empreendedor em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, sou graduado em Educação Física pela Universidade Salgado de Oliveira (Universo) e professor concursado da área no Governo do Estado do Rio de Janeiro desde 2007. Atuei como coordenador pedagógico e geral de várias escolas particulares em Campos até 2011. Fui também coordenador administrativo do Sesc Mineiro, em Grussaí, no município de São João da Barra, até 2013. Há oito anos me dedico ao Centro Educacional Riachuelo como Diretor Geral das cinco unidades, que formam hoje o Grupo Riachuelo. Sou pós-graduado em Gestão Escolar Integradora e Gestão de Pessoas pelo Instituto Brasileiro de Ensino (IBE). Atualmente também sou apresentador do programa Papo Cabeça na rádio Folha FM 98,3.