Açu Petróleo assina contrato com empresa da Noruega para operação de transbordo
18/03/2019 | 16h41
A Açu Petróleo (parceria da Prumo Logística e a Oiltanking) e a empresa norueguesa Equinor assinaram contrato para realizar operações ship to ship (operação de transbordo) no Terminal de Petróleo (Toil) da companhia, localizado no Complexo do Porto do Açu, em São João da Barra.
O contrato tem duração de 36 meses, contados a partir de janeiro de 2020, e será destinado ao alívio da produção de petróleo da Equinor no campo de Roncador, na Bacia de Campos. Este contrato permite que a Equinor opere, através de navios classe Suezmax e VLCC (Very Large Crude Carrier), a maior parte da sua exportação de petróleo do Brasil através do Terminal da Açu Petróleo.
— A Equinor é mais uma empresa que optou por utilizar a moderna e segura infraestrutura do Toil. A entrada de mais este importante cliente irá reforçar ainda mais o nosso compromisso por excelência em segurança e cuidado com o meio ambiente em nossas operações — disse Victor Snabaitis Bomfim, presidente da Açu Petróleo.
Toil
No T-OIL, a operação de transbordo de petróleo é realizada por um operador de classe mundial, Oiltanking, em área abrigada por quebra-mar, possibilitando uma operação confiável e segura, com eficiência e redução no custo final para os clientes, o que aumenta a competitividade do petróleo brasileiro. A operação conta com os dois navios atracados no quebra-mar, ambos cercados por barreiras de contenção, o que minimiza o risco de impacto para o meio ambiente.
O terminal tem capacidade e é licenciado para movimentar até 1,2 milhão de barris de petróleo/dia.
 Com 25 metros de profundidade, o Toil é o único terminal privado brasileiro com capacidade para receber navios da classe VLCC, que tem capacidade de armazenamento de até 2 milhões de barris de óleo cru.
Compartilhe
Definida programação da festa do padroeiro de São Francisco de Itabapoana
18/03/2019 | 12h43
Chegada da procissão do padroeiro de SFI
Chegada da procissão do padroeiro de SFI / Foto: VNotícia
A festa de São Francisco de Paula, padroeiro do município de São Francisco de Itabapoana, está com a programação definida. As atividades religiosas começam neste domingo (24), com a abertura do novenário, e seguem até o dia 2 de abril, quando o santo é celebrado no calendário litúrgico. Durante os dias do novenário, os católicos poderão fazer doações de alimentos para posterior distribuição de cestas de alimentos. Cada dia a doação de um alimento específico no chamado “gesto concreto”. A festa também conta com atividades recreativas, esportivas e culturais, incluindo shows, com apoio da Prefeitura. A festa é realizada pela Paróquia São Francisco de Paula.
Confira a programação completa:
24/03 - Domingo
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Luciano Gomes. Gesto concreto: café
Comunidades convidadas: Itaquaruçú, Funil e Divisa
25/03 - Segunda
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Alexandro Matos. Gesto concreto: macarrão
Comunidades convidadas: Bela Vista, Pingo D’Água e Praça Imaculada
26/03 - Terça
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Emerson Ramos. Gesto concreto: arroz
Comunidades convidadas: Alegria dos Anjos, Valão Seco e Imburi
27/03 - Quarta
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Fabiano Ferreira. Gesto concreto: Feijão
Comunidades convidadas: Floresta, Santa Rita e Aroeira
28/03 - Quinta
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Luciano Gomes. Gesto concreto: Açúcar
Comunidades convidadas: Morro Alegre, Sossego e São Domingos
29/03 - Sexta
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Lucas Mendes. Gesto concreto: Farinha
Comunidades convidadas: Santo Antônio, Barro Branco e Estreito
21h - Luau da Juventude
30/03 - Sábado
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Dênison Gleison. Gesto concreto: Leite
Comunidades convidadas: Gargaú, Santa Clara, Cacimbas e Campo Novo
21h - Show com Davidson Silva
31/03 - Domingo
8h - Santa Missa
14h30 - Atividades recreativas
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Alexandre Mothé. Gesto concreto: Óleo
Comunidades convidadas: Bom Jardim, Ponto de Cacimbas e Volta Redonda
21h - Show com Edivane Santos e Banda
01/04 - Segunda
19h - Adoração
19h30 - Santa Missa, celebrada pelo padre Wallace Azevedo. Gesto concreto: Biscoito
Comunidades convidadas: Esquina, Macuco e Sonhos
21h - Show com a cantora Michele Freire
02/04 - Terça
5h30 - Alvorada
7h - Santa Missa. Na sequência, café comunitário
10h - Batizados
10h - Corrida Ciclística
19h - Santa Missa Solene, celebrada pelo bispo diocesano dom Roberto Francisco. Logo depois, procissão.
21h30 - Show com Ministério Frutos do Espírito
Compartilhe
Centro de Emergência de SJB passará para atendimento ambulatorial
17/03/2019 | 15h38
A edição deste domingo (17) da Folha da Manhã traz uma matéria especial sobre o Centro de Emergência de São João da Barra, em reforma desde 2017. A previsão da secretaria de Saúde é que a obra seja concluída ainda no primeiro semestre. No momento, as adequações acontecem no setor elétrico, já que todos fios foram furtados. Mas a principal mudança é que o conhecido Centro de Emergência não terá mais o setor de emergência. A matéria informa que a unidade vai “atender a população em todas as especialidades ambulatoriais, além de contar com centros de odontologia e fisioterapia”. Já a Santa Casa de Misericórdia “continuará a atender as demandas de obstetrícia, emergência, internações, cirurgias gerais e de traumaortopedia de baixa e média complexidade”.
Confira a matéria completa no Folha 1.
Compartilhe
Escola não combina com sangue derramado
17/03/2019 | 13h29
Trabalho da perícia após o massacre em Suzano
Trabalho da perícia após o massacre em Suzano
Não dá para esquecer a época da escola. Afinal, de lá saem amigos para vida toda, alguns que se tornam irmãos. Histórias da infância e adolescência que carregamos sempre, motivo de muitos risos a cada reencontro. Ainda nos vinte e tantos anos, com a casa dos 30 batendo à porta, dá para dizer que grande parte da vida foi em uma escola. Primeiro por ser filho de professora, e já ser levado para uma antes mesmo de iniciar os estudos. No fim do ensino fundamental, passava a manhã como estudante e trabalhava, contratado como bolsista, nos turnos da tarde e/ou noite. Depois, adulto, concursado como servidor público, por alguns anos a rotina inclui novamente o ambiente escolar, já dividido com a maior paixão profissional, que é o trabalho jornalístico. No entanto, por mais que a gente tente se afastar, tudo o que foi vivido dentro de uma escola marca para sempre.
Grande parte dos brasileiros passou por uma escola — e não cabe aqui falar sobre a qualidade, tema para uma outra discussão, com quem tem embasamento. Fato: é um ambiente comum a quase todos. Não é só o paraíso, existem muitos problemas, mas todo mundo guarda recordações. E isso, talvez, tenha sido até um potencializador da perplexidade com a qual o país assistiu, na última quarta-feira (13), ao ataque na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP). Foram 10 mortes: duas funcionárias, cinco alunos adolescentes, que entre 15 e 17 anos tiveram seus sonhos interrompidos, os dois autores do massacre e o tio de um dos assassinos, morto pouco antes da ação covarde na escola.
Na mídia, psicólogos são acionados, debates sobre comportamento de jovens adolescentes dentro de casa são explorados, a questão da segurança nas escolas é novamente levantada e chega até a política, principalmente porque continua em voga a discussão sobre a questão armamentista, flexibilização da posse e debates sobre porte de arma. Tudo é necessário, mas, no fim, parece em vão.
Cabe lembrar que outros ataques aconteceram no país em outros momentos políticos, como o massacre de Realengo, em 2011, que deixou 13 mortos: 12 alunos, com idades entre 13 e 16 anos, e o assassino, que acabou cometendo suicídio. Contudo, naquela época, não tinha senador filho de presidente usando a rede social para dizer que o episódio trágico “atesta o fracasso do malfadado estatuto do desarmamento”, enquanto, por outro lado, os partidos da esquerda aproveitaram para criticar a flexibilização da posse de arma, um decreto já assinado por Jair Bolsonaro — e que foi promessa na sua campanha. Tem também outro ponto que ganha destaque, a redução da maioridade penal, como forma de tentar inibir crimes por parte de quem ficaria impune, ou com a pena mais amena, em atos cometidos antes dos 18 anos. O debate é mais quente na internet.
E é nesse terreno virtual que pode ser encontrado a raiz do problema. As famílias, realmente, muitas vezes nem conhecem quem está dentro de casa, já que crianças e adolescentes agora vivem trancados no seu mundo com um computador. De lá podem sair grandes ideias, algumas boas, outras nem tanto. Jogos com interfaces cada vez mais próximas da realidade podem até atrair e despertar algo de ruim em alguém. Porém, quem já jogou (ou joga) sabe que esse não é o maior perigo. A gravidade está em quem fica online para atrair os jovens psicologicamente mais fracos para o chamado submundo da internet.
Levado até lá (a tal Deep Web), o acesso a drogas, armas e munição, notas falsas, pornografia infantil e tudo de ruim está disponível muito facilmente. Como define uma matéria da BBC, lá é “o esgoto em que se submergem atividades repugnantes que não querem ser descobertas”. A família tem papel importante e poderia suspeitar se algo de errado estiver acontecendo, mas não pode ser julgada caso não consiga perceber. Afinal, é tudo novo para muita gente. Aprender a lidar com o mundo virtual não é um processo rápido, assim como a legislação sobre os crimes neste ambiente ainda engatinham.
A perplexidade do bárbaro crime em Suzano assusta porque é tudo muito próximo. Muita gente recebeu imagens com os corpos, o sangue derramado no chão da escola, quase que em tempo real pelas redes sociais — e atônitos, na quinta-feira (14), o mundo assistiu a um ataque na Nova Zelândia, com 49 mortos, transmitido ao vivo no perfil do atirador. Todo mundo conhece alguém que vive mais tempo no mundo virtual do que no real. Todo mundo passa, passou ou conhece alguém que está em uma escola. É essa realidade, muito próxima de todos, que deixa a todos perplexos: uma brutalidade daquela em Suzano poderia acontecer com qualquer um, em qualquer lugar.
Não são mais ou menos armas que vão resolver. O crime em um ambiente escolar só vem a destacar que as políticas públicas precisam valorizar a educação — o profissional, mais condições de trabalho, projetos, acompanhamento dos alunos além da grade curricular. Da época de escola, guardo a lembrança nítida do jornal mural, das redações de sala de aula, em que a professora de Português — baixinha, rígida, católica tradicionalista, Maria Auxiliadora — dizia que ainda iria ler artigos da mesma autoria em jornais (e aqui está mais um). Da turma, de filhos de pescadores da praia de Atafona, a maior parte é bem-sucedida (na vida pessoal e profissional). A escola, como segunda casa, fez parte da construção do caráter de todos. Lá estão muitas histórias nossas — aquelas que nos fazem rir a cada reencontro. Oxalá fosse assim para todo mundo! Escola é lugar de aprendizado, e também de alegria. Não combina com sangue derramado, como foi em Suzano.
Compartilhe
Prefeitos da região já de olho em 2020
17/03/2019 | 10h34
A eleição de 2016 no Norte Fluminense trouxe um cenário até então considerado atípico. A chamada “força da máquina” não conseguiu eleger seus candidatos em sete dos nove municípios da região. Parecia uma prévia do que aconteceria em 2018, quando houve rupturas, quebrando anos de continuidade de grupos no poder e os candidatos considerados não políticos conseguiram mandatos no Executivo — como é o caso do governador Wilson Witzel (PSC) — e renovaram boa parte das Assembleias Legislativos e da Câmara dos Deputados. E 2019, que mal começou, já começa a desenhar o futuro político para eleição de 2020. Inclusive já começam a ser especuladas as intenções de candidaturas para reeleição.
Para o cientista político Hamilton Garcia, os eleitores no ano que vem devem continuar penalizando oligarquias políticas, mas também não devem estar dispostos a perdoar as novidades que não estiverem correspondendo às expectativas.
— O eleitor continua procurando o governo representativo, onde o interesse da sociedade é maior do que a do político, e isto deve continuar impactando as máquinas oligárquicas especializadas na corrupção do voto, ao mesmo tempo que penaliza as novidades políticas de 2016 que frustraram as expectativas — avalia Garcia.
Dos nove prefeitos da região (como mostra o infográfico acima), seis estão, por ora, em condições de elegibilidade para o próximo pleito e dois não podem concorrer porque estão no segundo mandato consecutivo. Já a prefeita de São João da Barra, Carla Machado (PP), tem pendência em um processo eleitoral, originado da operação Machadada, que ainda será julgada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Em entrevista à Folha, o prefeito de Campos, Rafael Diniz (PPS), afirmou que pretende disputar a reeleição: “Assim como eu tive o direito de ser candidato a prefeito, e assim como serei candidato à reeleição, todo cidadão tem o direito de se candidatar. Faz parte do processo democrático”, respondeu ao prefeito ao falar sobre o número de pré-candidatos que já estão aparecendo no cenário eleitoral.
No caso de SJB, a decisão do TSE sobre a Machadada será essencial para definir o futuro cenário. Enquanto o julgamento não acontece, Carla já se colocou no jogo, após alguns opositores terem associado o bom desempenho de Witzel e Jair Bolsonaro (PSL) no município ao fato de a prefeita ter apoiado os adversários deles. “Essas palhaçadas só me animam para colocar meu nome na disputa novamente e agora estou repensando e acho que irei disputar a eleição de 2020 novamente”, escreveu Carla.
Por falar na eleição de Witzel, o atual governador obteve sucesso no pleito de 2018 com um discurso de “não político”. Para Hamilton Garcia, este não será o único diferencial da eleição de 2020: “O diferencial não é ‘político profissional’, mas político que encarna interesses sociais, o que pode beneficiar o ‘não político’, mas sem excluir o ‘político’. A reversão das expectativas é o objetivo do debate eleitoral: os mal avaliados pretendem a positivação, e os bem avaliados almejam a manutenção/ampliação de sua boa imagem. Tem eleição tranquila quem, já no governo, conseguir aliar a imagem de bom gestor à capacidade de fazer reformas em benefício de todos. A habilidade em usar as novas ferramentas de interação aumentam as chances em ambos os casos”.
Publicado na edição deste domingo (17) da Folha da Manhã
 
 
Compartilhe
Educação de SJB firma, em Brasília, parceria para projetos
14/03/2019 | 20h38
O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Comunicações e Inovações (MCTIC), assinou acordo de cooperação técnica com a Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de São João da Barra (Semec). O convênio prevê o desenvolvimento e a execução de programas e projetos de pesquisa, difusão e formação de recursos humanos de alto nível, no campo da ciência e tecnologia da informação e áreas conexas, contribuindo para fortalecer suas missões institucionais e ações diversas de cooperação técnica entre o IBICT e a Semec.
Segundo o secretário municipal de Educação e Cultura da Prefeitura de São João da Barra, Daniel  Damasceno, a secretaria está exultante em poder estabelecer parceria com o IBICT. “Com a característica do nosso município, nós temos um projeto claro de extensão da carga horária de aulas, vista como educação pública, nós trabalhamos com uma camada de alunos que precisa ter acesso a um capital cultural não só nas quatro horas de escola, mas também nas outras 20 horas”, disse o secretário.
Daniel Damasceno acredita que a implementação de um experimento de educação integral no município beneficiará os alunos. “Pelo know-how que o IBICT possui e pelo histórico que o instituto tem em desenvolvimento de inovação e de tecnologia, nós acreditamos que a contribuição será grande no que diz respeito à formação dos nossos professores, além do incentivo dos nossos alunos à ciência, à pesquisa, à inovação, e à ampliação dos horizontes dos nossos alunos”, salientou.
A matéria foi divulgada no site do IBICT nesta quinte-feira (14).
Compartilhe
Sanjoanenses na Tailândia para o Campeonato Mundial de Muay Thai
14/03/2019 | 13h18
Gabriel, o treinador Sérgio Miranda e Alysson
Gabriel, o treinador Sérgio Miranda e Alysson / Divulgação
Os sanjoanenses Gabriel Batista e Alysson Almeida viajaram na última quarta-feira (13) para a Tailândia, na Ásia, onde vão representar o município no Campeonato Mundial de Muay Thai. Em 2018, Gabriel conquistou o 3º lugar em sua categoria, neste mesmo evento. Para o Alysson, esta é a primeira competição em outro país, porém já disputou no Brasil, com atletas internacionais, e obteve o 1º lugar no Campeonato Internacional de Muay Thai, em Pouso Alegre, Minas Gerais.
Os dois atletas disputarão profissionalmente o torneio da WMO (World Muay Thay Organization), sendo Gabriel na categoria até 63 kg, e Alysson na categoria até 71 kg. Os dois garantiram a participação neste Campeonato Mundial durante a Copa Sudeste de Muay Thai, realizada em janeiro, em Grussaí.
Bicampeão brasileiro e três vezes campeão estadual, Gabriel Batista, da equipe Miranda Top Team, foi um dos destaques na competição, conquistando o Cinturão Estadual na categoria até 60 kg e garantindo vaga para o Mundial. Alysson Almeida, categoria até 71 kg, da equipe Makarios, também também de destacou na Copa Sudeste, assegurando a vaga para o Mundial.
— Intensificamos o treinamento nos últimos três meses, desde a parte técnica, física e estratégias de luta, até os cuidados com a alimentação. Chegamos a treinar três vezes ao dia — disse Sérgio Miranda, atual presidente da Federação de Muay Thai Carioca e treinador do Gabriel Batista.
Segundo Miranda, a expectativa é de vitória. “Devido à experiência em mundial, apesar de estar lutando contra os melhores lutadores profissionais do mundo, ele está indo para buscar o ouro”, completou.
George Góes, treinador de Alysson Almeida, comentou que a preparação foi árdua, nas áreas técnica, de condicionamento físico, alimentação e estratégias de luta. “Estou confiante na vitória, porque houve todo um treinamento, além disso, o atleta é muito dedicado à arte marcial, abrindo mão de tudo, mantendo o foco. Já podemos comemorar o fato de ele estar competindo com os melhores do mundo, e sei que com o esforço e dedicação vai conquistar muito mais vitórias no decorrer da vida”, finalizou.
Os atletas estão sendo patrocinados pelo projeto “Bolsa Atleta”, da Prefeitura de São João da Barra, por meio da Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer. “Sabemos que esta contribuição é muito importante para alavancar a carreira de nossos esportistas, em contrapartida é o nome de nossa cidade que se projeta nesta área também. O pagamento de passagens internacionais se deu através de alteração da lei, que ocorreu no ano passado”, frisou o coordenador de Esporte, João Paulo Almeida.
Os atletas retornam ao Brasil no dia 22 de março.
Fonte: Secom/SJB
Compartilhe
Campos convoca mais 75 professores substitutos do Processo Seletivo
14/03/2019 | 09h55
A secretaria municipal de Educação, Cultura e Esporte (Smece) publicou no Diário oficial desta quinta-feira (14) mais uma chamada para professores substitutos aprovados no Processo Seletivo Simplificado 2018 para contratação temporária (confira a relação no fim do post ou aqui). Foram mais 75 convocados, sendo 50 para Professor II (25h) e 25 para Professor I, divididos por áreas do conhecimento: História (1), Português (5), Geografia (8), Matemática (3), Inglês (2) e Arte (6).
Os selecionados devem comparecer à sede da Smece na segunda-feira (18) para entrega de documentos, habilitação e cadastro. Os convocados como Professor II devem se apresentar às 9h. No caso de Professor I, às 14h. A secretaria fica na Praça Cinco de Julho, 60 (prédio da antiga Estação Ferroviária).
É necessário levar: Cédula de Identidade; CPF; Título de Eleitor com comprovação de regularidade com a Justiça Eleitoral; Documentação comprobatória de nível de escolaridade e formação para o cargo pretendido; 01(uma) foto colorida 3X4 recente; Carteira de Trabalho (cópia da parte da foto frente e verso); Certificado de Reservista ou Dispensa de Incorporação, para os candidatos do sexo masculino; Certidão de Nascimento dos filhos menores de 18 anos; Cartão PIS/PASEP; Comprovante de Residência; Certidão Negativa de Antecedentes Criminais; e habilitação para a função pretendida.
Após esta etapa, haverá o encaminhamento para escolha de local de atuação, que ocorrerá na terça-feira (19), nos turnos da manhã e da tarde, dependendo da classificação, para Professor II. Já para Professor I, a escolha acontece na quarta-feira (20), pela manhã.
Aqueles que faltarem, sem justificativa, serão considerados desistentes. As chamadas ocorrem de acordo com a demanda das unidades de ensino, seguindo a ordem de classificação.
Compartilhe
Mais uma mudança prevista na Câmara de Campos
13/03/2019 | 18h07
As alterações na Câmara de Campos vão continuar. Enquanto Rosilani do Renê (PSC) aguarda para ser convocada após o afastamento, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), de Marcos Bacellar, mais uma suplente pode se preparar. O blog Ponto de Vista, de Christiano Abreu Barbosa, anunciou (aqui) que o vereador Abdu Neme (PR) vai assumir a secretaria de Saúde do município. Desta forma, Marcelle Almeida (PR), conhecida pelo grupo Protetores Amigos de Todos os Animais (Pata) — e que apresenta o "Pata no Ar", na Plena TV —, herdaria uma cadeira.
Marcelle teve 572 votos no pleito de 2016. Ela ficou na 8ª suplência na coligação PR/PTB/PSD. Vai ficar com a vaga porque sete candidatos que estavam na sua frente foram condenados na Chequinho. A coligação elegeu, em 2016, cinco parlamentares, na seguinte ordem: Jorge Rangel (PTB), Thiago Ferrugem (PR), Dr. Abdu, Kellinho e Magal. Destes, Abdu não estava envolvido nos processos da Chequinho e continuou no mandato. Como a Justiça Eleitoral não determinou a anulação dos votos, foram convocados, ao longo dos últimos anos, Nénem (PTB), Joilza Rangel (PSD), Thiago Godoy (PR) e Roberta Moura (PR). Godoy e Roberta também foram condenados e deixaram a Câmara. Eduardo Crespo (PR) e Dr. Ivan Machado (PTB) ficaram com os mandatos. Agora, na lista de suplência, a próxima seria Vera Bensi (PR), só que ela também já foi condenada na Chequinho.
Agora, confirmando a saída de Abdu para a Saúde, a vaga é de Marcelle Almeida.
Compartilhe
Campos-Atafona: 1001 não cumpre horário e ainda não vai até Chapéu de Sol
13/03/2019 | 16h25
Foto - Isaias Fernandes
As reclamações com relação ao transporte intermunicipal entre Campos e São João da Barra não terminaram com a intervenção do Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), em dezembro de 2017, que tirou a concessão da Sanjoanense Campostur. As principais queixas são com relação às linhas que atendem a sede do município e Atafona, sob responsabilidade da 1001. Os horários não são cumpridos e, mesmo com a afirmação do Detro que seria área de cobertura da empresa, os ônibus da até o momento não voltaram a passar pela localidade de Chapéu de Sol, que faz parte de Atafona. Uma licitação para as linhas intermunicipais é aventada há muito tempo, mas ainda não há nada concreto.
No último domingo, a jornalista Suzy Monteiro, da Folha, relatou o problema do horário em sua rede social: “Absurdo os horários de ônibus de Atafona para Campos. Depois de esperar 40 minutos chega um (às 15h10) que só sairá às 16h. Falta de respeito com os passageiros. E não é a primeira vez. No carnaval tiraram horário sem falar nada. Dá até saudades da Campustur”. Os comentários da publicação foram todos concordando com a denúncia e fazendo mais queixas ao serviço prestado.
Em contato com o Detro, a assessoria informou que os horários da linha entre Atafona e Campos (N430) estão disponíveis no site do departamento (aqui). É possível constatar a previsão de que saia um ônibus de Atafona a cada 90 minutos, de domingo a domingo. O primeiro horário previsto é de 6h, enquanto o último é às 22h30.
Em nota, a 1001 diz cumprir os horários nos dias de semana: “A Viação 1001 informa que a linha entre Campos - Atafona teve início na alta temporada com um número maior de veículos. Atualmente, a linha está se adequando à demanda, dentro do que foi especificado, e opera com intervalo de 30 minutos a 1h30 durante a semana e com intervalos de 2 horas aos domingos”. A própria empresa admitiu o não cumprimento do horário no domingo.
Com relação ao atendimento a Chapéu de Sol, o Detro informou que “a empresa foi notificada a retomar imediatamente a operação regular da linha, para atender a população da região” e que “vai intensificar as fiscalizações na região”. O departamento salientou ainda que, neste ano “houve cinco registros na Ouvidoria do Detro de reclamações na linha N430 Atafona – Campos”.
Por sua vez, a 1001 reafirma que não atende à localidade de Chapéu do Sol “em função do esquema operacional da linha”. O Detro ressalta que os cidadãos podem encaminhar suas denúncias para a Ouvidoria, por meio do telefone da (21) 3883-4141, pelo e-mail [email protected] ou pelo WhatsApp Fale Detro (21 – 98596-8545). Além das operações de inteligência, o Detro utiliza as denúncias feitas pela população para nortear suas ações.
Compartilhe
Sobre o autor

Arnaldo Neto

[email protected]